Bloguinho da Zizi

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Dia de Reis - Uma história para crianças....ou não!

Este conto é de autoria de Graça Pereira do Blog Zambeziana 

http://zambezianachuabo.blogspot.com/


Josafat
 
Chamava-se Josafat e era o mais novo dos três camelos que partiram do Oriente levando os Magos até Belém. Estava excitado e ao mesmo tempo curioso. Era a primeira vez que se metia (ou metiam-no) numa aventura tão extraordinária. Pensava como é que os seus amos, uns verdadeiros sábios, tão atentos à Ciência, sempre de binóculos na mão, mapas e outras coisas que tais… se tinham deixado guiar por uma estrela.
- Era diferente das outras, maior, e caminhava pelo céu como se indicasse um caminho. Depois as Escrituras falavam no nascimento de um Rei e num sinal pouco vulgar que daria conta do acontecimento… - explicavam os mais velhos!
Josafat abriu muito os olhos e batia com as fartas pestanas a ver se entendera bem:
- Um Rei? De que país? Jerusalém tem o Rei Herodes… de onde poderá ser?
- Como é que tu sabes todas essas coisas?
- Oiço tudo e muito bem…
A noite caía sobre eles. Uma noite gélida mas com um céu brilhante mais claro que o dia.
Josafat encolheu-se um pouco… O manto do Mago não o cobria totalmente e ele sentia frio. Durante o dia fora a tempestade de areia e aquele calor infernal que parecia assá-los a todos.
De repente Baltasar gritou:
- Olhem!
A estrela tinha parado no firmamento e incidia raios fortes sobre a terra.
- Deve ser aqui - dizia Melchior.
Josafat pensava que os Magos deviam estar doidos… Ali, como? Não era um Rei que tinha nascido? Onde estava o palácio?
Num minuto, a estrela desceu tanto que quase esmagou um pobre pardieiro que parecia conter ouro que faiscava.
- Aproximemo-nos mais… Vocês ficam aqui mais afastados - informou Gaspar.
Descendo dos camelos dirigiram-se com as suas ofertas para o novo Rei, entrando na pequena gruta.
Josafat, curioso, avançou mais um pouco e o que viu espantou-o: um Rei… mas é apenas um Menino! Não entendo nada… E aquela jovem, tão jovem, será a sua Mãe? E aquele velho que remexe a palha com muito cuidado… quem será?
Josafat esticou o pescoço e, tropeçando numa pedra, ficou quase à entrada da gruta e o que viu fê-lo bater com mais força as largas pestanas.
Os sábios com a cabeça encostada ao chão diziam louvores enquanto faziam as suas ofertas: Ouro, incenso e mirra, apresentados em cofres valiosos. O Menino com os bracitos estendidos olhava-os com uma certa curiosidade mas… não se ria!
Josafat queria ver mais. De um pulo esparramou-se diante do Menino, mesmo em frente dos seus amos. Pensou, é agora que eu vou ser despedido!
Mas, espanto dos espantos: O menino ria às gargalhadas e estendendo as mãozitas passou-as pela cabeça de Josafat que se sentia o mais feliz dos camelos.
Olhando para os amos pensou que eles não entendiam nada de crianças… Para que quereria aquele Menino os disparatados presentes?
Afinal aquele menino era igual a todas as crianças do mundo: gostava de brincadeiras, de se rir e de sentir amor à sua volta!
Não! Josafat pensava que, quando voltasse para o Oriente, a sua vida já não seria a mesma…
Tinha conhecido um Rei que não ligava às riquezas e que se divertia com as tropelias de um camelo… Nunca o esqueceria e era a palavra de Josafat.

11 comentários:

Angela Fonseca disse...

Chorei! Sou assim mesmo, muito emotiva, e hoje, em especial, sinto-me tocada por uma luzinha, depois de todos os comentários amorosos lá na minha cozinha.
Uma lindeza esta história! Definitivamente, é para crianças: as pequeninas e as que continuam morando em nós. Um beijo carinhoso, Zizi.
Angela
http://noticiasdacozinha.blogspot.com

Regina Rozenbaum disse...

Zizi, amigamada!
O conto já tinha lido na Graça e é mesmo lindo de viverrr... Sabe que comemoro, celebro o dia de Reis com mais pompa e circunstância que o próprio Natal?! Ele simboliza para mim o que desejo em minha essência: "as três raças e os três continentes do mundo conhecido prostravam-se aos pés de um novo rei da humanidade inteira."
Venho tb, minha linda, agradecer sua amizade e seu comentário, especialmente, de hoje.
Beijuuss n.c.

Estela disse...

Olá Zizi,
Vim do blog da Graça, o Zambeziana, para encontrar o Josafat aqui neste teu espaço.
Li seus comentários e achei linda sua atitude de publicar o conto da nossa amiga, tão bem escrito.
Desejo-lhe um ótimo Ano e um Feliz Dia de Reis.
Bjs.

Ronda disse...

Olá Zizi,
O verdadeiro valor não está mesmo nas riquezas, não é?

Desejo a você um ótimo ano de 2011. Já estou um pouco atrasado para isto... rs
Abraços!!

Chica disse...

Maravilhoso conto da Graça! Um lindo dia e tuuuuudo de bom( eu hoje tenho um dia difícil...Dentro de algumas horas(agora estão dormindo) o filho volta pra Inglaterra...Isso dói...)beijos,chica

Denise Portes disse...

Zizi,
Lindo esse conto.
Um beijo
Denise

Maria Carmo disse...

Belíssima história.

Muito obrigada por ter surgido lá no Voo Longo e pelas suas Preces!

Em nome de Maria Carmo,

Um abraço de Isabel e José António

Marcoso disse...

adorei a estoria, boa semana

Denise disse...

Os verdadeiros tesouros reluzem em nós, em um lugar cujo céu nunca é noite, mas brilham as estrelas!

Lindo o conto! Lindo o presente - minha criança nesta adulta emocionada, te agradece!
Um beijo, minha amiga.

Calu disse...

Zizi,
toda a singeleza dos gestos puros e simples tão bem descritos no conto, fala à alma de cada leitor(a). São marcantes momentos de doçura!Lindo!
Obs:Adorei o novo layout.Está demais!
Beijocas,
Calu

Mariza disse...

OLá Zizi,
Muito lindo seu Post, aliás somos todas nós "Blogueiras" portadoras de boas palavras, seja nossas próprias ou escritas por outras pessoas, somos na verdade divulgadoras de palavras de Fé e otimismo, com a intenção de fazerm,os o mundo melhor. Grata por aceitar minha amizade. Eu fiquei em dúvida entre postar algo sobre o "Dia de Reis" ou sobre "O dia da Gratidão", se tiver vontade não precisa divulgar por e.mail o post de hoje de meu Blog, seria muito legal se vc postasse aqui, mais pessoas receberiam e seriam GRATAS.
beijos
Mariza - Almazen