Bloguinho da Zizi

terça-feira, 4 de outubro de 2011

A vida, a cachoeira e eu


Às vezes sinto-me assim
como as águas de uma cachoeira.
Chego num turbilhão,
avançando e levando tudo comigo
de bom ou de ruim,
até que em algum momento
me deparo com o abismo
e não tenho como voltar,
tenho sim, que mergulhar
na escuridão das minhas sombras.
A queda me traz um misto de sensações
entre o medo e a liberdade.
Lanço-me e espero o impacto.
Se o medo impera o choque é devastador,
mas se é liberdade, não há choque,
há simplesmente uma integração
com as águas que me aguardam 
para um novo caminho seguir.

13 comentários:

✿ chica disse...

LIndo,Zizi! bela mensagem aqui! Sempre!beijos,chica

Astrid Annabelle disse...

Bom dia Zizi!
Isso mesmo..."...há simplesmente uma integração com as águas que me aguardam para um novo caminho seguir." E essa aprendizagem é que nos desafia constantemente.
Lindo post.

**Vim aqui para agradecer sua presença no Navegante e te avisar que tem um post mais recente, com imagens de Portugal. O blogger não está atualizando meus links como deveria.**

Um beijo gostoso agradecido.
Astrid Annabelle

Marcoso disse...

Lhe desejo uma cachoeira de bençãos

Emília, disse...

Rio,caminho que anda....
Precisamos fazer o mesmo,apesar de todos os obstáculos,não é mesmo?
Uma pedra aqui,uma cachoeira ali, mas tendo sempre a sensação de que a chegada no final do caminho é gratificante.Existe coisa mais linda do que o encontro do rio com o mar?
Beijos amiga!!!
Emilinha

Mery disse...

"Se o medo impera, o choque é devastador, mas se é liberdade, não há choque, há simplesmente uma integração com as águas para...* "

Lindo, perfeito!

bjusss

Calu disse...

Nesses instantes de ímpeto sem recuo em que nos abandonamos à sorte do acontecimento, temos , muitas vezes, a surpresa da integração, da acolhida e da força adormecida que aí acorda para a continuidade.
Maravilhosa duplicidade:imagem-texto-reflexão!
Obrigada querida Zizi, por mais esta linda partilha.
Bjos,
Calu

Angela Fonseca disse...

É preciso juntarmos coragem para mergulhar no nosso rio pessoal como um todo, luz e sombra. Saímos de alma lavada e renovados para continuar fluindo. Lindo texto. Beijinhos, Angela

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Já estive no encontro de dois rios... contemplei o seu poema pelo que vi nas imediações da Amazônia... sei do que fala... a alma da gente também passa pelo encontro... diferenciado...
Bjm de paz

ValériaC disse...

Que palavras mais lindas Zizi... e vamos seguir sem medo este fluxo por um novo seguir...
Amei a imagem...maravilhosa, ficou perfeita com a beleza das palavras...
Boa tarde amiga...beijos...
Valéria

Regina Rozenbaum disse...

Angelinha disse-me: cor_agem!Agir com o coração pra esses mergulhos... e outras tantas coisas desse viver.
Beijuuss n.a.

★Isa Mar disse...

Como diz a Meire, maravilindo!
Eu vivo rolando cachoeira a baixo rsss e cada vez que enfrento meus medos me torno mais forte.
Ás vezes as quedas são inevitáveis,mas a cada uma aprendo mais e depois as dores cessam, vão diminuindo.
Adorei ler isso, beijos pra ti e linda tarde!

Meire disse...

Zizi, lindo aqui!! Lindo post, a vida é mesmo assim, acontece encontrarmos um abismo, mas sabemos que sairemos dele renovados, de alma limpa :)

*Dei risada aqui do comment da Isa...a Meire que fala maravilindo sou eu rsrs adoro misturar uma palavra com outra.

Já estou me sentindo em casa por aqui!
bjokitas pra vc!

William Garibaldi disse...

Zizi! Estavamos um no Blog do outro!
Que sintonia finaa!
Iluminada.

Grato Amiga!
E este post... como vc... Da Oxum Total!... O Poder e a Sabedoria da Cachoeira!

Bjus de Luz!