Bloguinho da Zizi

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Feliz Ano Novo!!!!


http://www.sandravandoorn.com/uploads/1/4/0/8/14080189/8125941_orig.jpg
Que eu tenha sabedoria 
para renascer neste novo ano que inicia!
Que eu tenha discernimento 
para cada ação que praticar!
Que eu tenha tanto amor no meu coração 
que meus olhos enxerguem além das aparências!
Que eu tenha humildade 
para todo aprendizado que se apresentar no meu caminho!

Que eu seja como Deus me criou!
Feliz Ano Novo!

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal a todos os seguidores do Bloguinho


Que o seu Natal seja
Muito mais que presentes e comilança

Que o menino Jesus
Não fique só na lembrança

Mas tenha dentro do seu coração
a verdadeira importância

De um irmão que veio pra ajudar
a encontrar dentro de nós a tolerância

Então desejo que neste Natal
tuas virtudes transbordem em abundância.



Beijinhos

Zizi

domingo, 22 de dezembro de 2013

Apesar do tempo....




Mais uma vez o tempo me assusta.
Passa afobado pelo meu dia,
atropela minha hora,
despreza minha agenda.
Corre prepotente, para disputar lugar com o vento.
O tempo envelhece, não se emenda.
Deveria haver algum decreto
que obrigasse o tempo a desacelerar
e a respeitar meu projeto.
Só assim,
eu daria conta dos livros que vão se empilhando,
das melodias que estão me aguardando;
Das saudades que venho sentindo,
Das verdades que ando mentindo,
Das promessas que venho esquecendo,
Dos impulsos que sigo contendo,
Dos prazeres que chegam partindo,
Dos receios que partem voltando.
Agora,
que redijo a página final,
Percebo o tanto de caminho percorrido
Ao impulso da hora que vai me acelerando.
Apesar do tempo, 
e sua pressa desleal,
Agradeço a Deus
por ter vivido,
amanhecer e 
continuar teimando ...


quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Em busca




Eu fui procurá-Lo e me perdi,
a gota submergiu no oceano.

Quem pode encontrá-la agora?

-Kabir-

domingo, 15 de dezembro de 2013

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Coração aberto




"A coisa mais triste de todas é quando a tristeza não é sentida,
quando é omitida,
reprimida,
rejeitada.
Ficamos com raiva de nós mesmos por sentirmos raiva.
Tememos ter medo,
a sua intensidade,
a sua rapidez,
o seu imaginário poder de opressão.
É confuso tentar não sentir confusão quando a confusão está queimando dentro de nós.
A coisa mais frustrante de todas é
tentar fazer a frustração desaparecer imediatamente,
desejando a ausência do desejo.
A nossa maior dor é
a resistência à dor,
a recusa em viver a dor,
a nossa falta de vontade de encarar a vida de frente,
sem pestanejar.
Apenas um pensamento diria:
“este pensamento não deveria estar aqui”.
Apenas uma mente imaginativa gostaria de estar
“livre da mente”.
Saboreie a vida tal qual ela é,
sem julgamento,
ou sem julgamento
do julgamento
do julgamento...
A nossa experiência está sempre refletindo.
Mas o Coração está aberto para sempre."

Jeff Foster (tradução: Chris M. - Dharmani)

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

OS PORTADORES DE SONHOS

 http://3.bp.blogspot.com/-Y-FbHfn7rJU/UN8emQvXZEI/AAAAAAAACsg/cOvp-fEzMn8/s400/mademoiselle--follow-your-heart-sandravandoorn.gif


                Em todas as profecias está prevista a destruição do mundo.
                Todas as  profecias dizem que o homem criará sua própria destruição.
                Porém os séculos e a vida que sempre se renovam criariam também uma geração de amantes e sonhadores;  homens e mulheres que não sonharam com a destruição do mundo, e sim com a construção do mundo das mariposas e dos rouxinóis.
                Desde pequeninos vinham marcados pelo amor.

                Por trás de sua aparência cotidiana guardavam a ternura e o sol da meia-noite.
                Suas mães os encontraram chorando por um pássaro morto e mais tarde muitos foram encontrados mortos como pássaros.
                Estes seres coabitaram com mulheres translúcidas e elas ficaram prenhes de mel e de filhos reverdecidos por um inverno de carícias.

                Foi assim que proliferaram no mundo os portadores de sonhos, atacados ferozmente pelos portadores de profecias que falavam de catástrofes.
                Foram chamados iludidos, românticos, pensadores de utopias, disseram que suas palavras eram velhas -e de fato eram porque a memória do paraíso é antiga no coração do homem - os acumuladores de riquezas os temiam e lançavam seus exércitos contra eles, mas os portadores de sonhos faziam amor todas as noites e do seu ventre brotava a semente que não somente portava sonhos mas que os multiplicavam e os fazia correr e falar.
                E assim o mundo criou de novo a sua vida da mesma forma que havia criado os que inventaram a maneira de apagar o sol.
                Os portadores de sonhos sobreviveram aos climas  gélidos e nos climas quentes pareciam brotar por geração espontânea.
                Quem sabe as palmeiras, os céus azuis, as chuvas torrenciais tiveram a ver com isso, a verdade é que, como formiguinhas operárias estes espécimes não deixavam de sonhar e construir mundos formosos, mundo de irmãos, de homens e mulheres que se chamavam companheiros, que se ensinavam a ler uns aos outros, consolavam-se diante da morte, se curavam e se cuidavam entre si, se ajudavam na arte de querer e na defesa da felicidade.
                Eram felizes em seu mundo de açúcar e de vento e de todas as partes vinha gente impregnar-se de alento e de suas claras percepções e de lá partiam os que os haviam conhecido,
                portando sonhos, sonhando com novas profecias que falavam de tempos de mariposas e rouxinóis,
                onde o mundo não haveria de findar na hecatombe mas onde os cientistas desenhariam fontes, jardins, brinquedos surpreendentes para fazer mais gostosa a felicidade do homem.

                São perigosos - imprimiam as grandes rotativas
                São perigosos - diziam os presidentes em seus discursos
                São perigosos - murmuravam os artífices da guerra

                Devem ser destruídos - imprimiam as grandes rotativas
                Devem ser destruídos - diziam os presidentes em seus discursos
                Devem ser destruídos - murmuravam os artífices da guerra.

                Os portadores de sonhos conheciam seu poder e por isso nada achavam de estranho.
                E sabiam também que a vida os havia criado para proteger-se da morte que as profecias anunciam, E por isso defendiam sua vida até a morte.
                E por isso cultivavam os jardins de sonhos e os exportavam com grandes laços coloridos e os profetas obscuros passavam noites e dias inteiros, vigiando as passagens e os caminhos procurando essas cargas perigosas que nunca conseguiram encontrar porque quem não tem olhos para sonhar.
                Não enxergam os sonhos nem de dia, nem de noite.

                E no mundo sucedeu um grande tráfico de sonhos, que os traficantes da morte não podiam estancar;
                em todas as partes há pacotes com laços de fita que só esta nova raça de homens pode ver
                e a semente destes sonhos não se pode detectar, porque está envolta em corações vermelhos
                ou em amplos vestidos de maternidade, onde pezinhos sonhadores sapateiam nos ventres que os carregam.

                Dizem que a terra depois de os haver parido desencadeou um céu de arco-íris e soprou de fecundidade as raízes das árvores.
                Nós sabemos que os vimos.
                Sabemos que a vida os criou para proteger-se da morte que as profecias anunciam.

                Gioconda Belli